Pedidos de indenização somam R$1,67 bi no RS, o maior sinistro climático do Brasil

Enchentes castigaram o Rio Grande do Sul, na maior tragédia climática da história do estado (Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini)

As seguradoras do país já registraram mais de R$ 1,6 bilhão de pedidos de indenizações devido às fortes chuvas e enchentes que atingem o Rio Grande do Sul. É o que revela levantamento da CNseg (Confederação Nacional das Seguradoras) apresentado em coletiva à imprensa nesta sexta-feira (24). Os dados, reunidos entre 28 de abril e 22 de maio, apontam 23.441 avisos de sinistros que, somados, representam R$ 1,67 bilhão em indenizações que serão pagas aos segurados.

“Os números são baseados nos sinitros analisados e são uma estimativa preliminar. É um valor considerável, mas a nossa avaliação é que este número crescerá muito nas próximas semanas”, considera o presidente da CNseg, Dyogo Oliveira, ao lembrar que a maioria das solicitações de indenizações ainda não foram enviadas pelos clientes às seguradoras.

“Os clientes residenciais, de automóveis, de propriedades agrícolas ou corporativas ainda estão contabilizando suas perdas e não acionaram suas seguradoras. Por isso, qualquer estimativa neste momento sobre o impacto nos danos patrimoniais é precipitada”, reforça Oliveira.

O impacto financeiro das enchentes no Rio Grande do Sul para as seguradoras já é considerado o maior de todos os tempos pelo setor, no que diz respeito aos eventos climáticos. No entanto, Oliveira considera que o montante pode superar até mesmo o valor pago em indenizações durante a pandemia de Covid-19, que chegou a cerca de R$ 7,5 bilhões para o mercado.

Os produtos que registraram as maiores procuras por indenização nas seguradoras foram o residencial e o habitacional, que juntos somaram 11.396 sinistros e cerca de R$ 240 milhões em pagamentos previstos. Com 8.216 registros, o seguro automóvel aparece em segundo lugar, superando os R$ 557 milhões; e, na terceira posição do ranking, está o seguro agrícola totalizando 993 registros e R$ 47 milhões em indenizações aos produtores agrícolas.

Confira os pedidos registrados até 23 de maio

Produtos Quantidade Valor (R$)
Automóvel 8.216 557.429.463,64
Residencial+Habitacional 11.396 239.189.519,54
Agrícola 993 47.294.125,95
Grandes riscos 386 507.002.600,78
Outros 2.450 322.136.532,56
TOTAL 23.441 1.673.052.242,48
Fonte: CNseg

Valores provisionados

Oliveira garante que os valores previstos de indenização são provisionados pelas seguradoras com recursos que elas mantêm em reserva técnica para esse tipo de evento. “O sistema brasileiro está perfeitamente preparado, não haverá nenhum problema de liquidez”, assegura o representante do setor.

Dyogo Oliveira também diz não acreditar que haverá grande impacto nos preços do setor porque não se espera que um evento deste tamanho se repita no futuro. “É um evento extraordinário”, salienta Oliveira ao reforçar, no entanto, que os eventos climáticos extremos têm sido cada vez mais frequentes. Ele lembra que nos últimos 5 anos, o Rio Grande do Sul sofreu 5 eventos extremos – 2 anos com enchentes e 3 anos com seca.

Seguro social

Oliveira reforçou ainda a importânica e a necessidade de o país se orgranizar para essas situações e que o seguro social contra catástrofes é um esforço nesta direção. Em abril deste ano, o mercado de seguros apresentou um projeto de lei que busca criar uma espécie de seguro social para atender a população afetada por desastres naturais.

O texto do projeto de lei prevê direito à cobertura de bens e auxílio funeral decorrentes de eventos naturais relacionados às catástrofes como chuvas, enxurradas e deslizamentos, sendo essas ocorrências reconhecidas como calamidade pública pela autoridade competente da localidade afetada.

A proposta da CNseg quer alcançar todas as camadas sociais do país, e a estimativa é que o custo do produto fique entre R$ 2 e R$ 5 mensais. A intenção é que o valor seja descontado diretamente na conta de energia elétrica. A indenização prevista seria de R$ 15 mil a R$ 20 mil por residência afetada e transferida por meio do Pix de maneira automática ao segurado.

Importante reforçar que as enchentes no Rio Grande do Sul são uma das maiores catástrofes climáticas que já aconteceram no Brasil. A Defesa Civil contabiliza, em balanço mais recente, o registro de 163 mortes, 72 pessoas desaparecidas e mais de 647 mil sobreviventes que tiveram de sair de casa, das quais 65,7 mil estão em abrigos e 581,1 mil em casas de amigos ou parentes (tecnicamente, são consideradas “desalojadas”). Neste cenário, as seguradoras agilizaram os pagamentos de indenizações, que podem ocorrer em até 48 horas em alguns casos, e já começam a registrar as primeiras indenizações relacionadas às enchentes e inundações nas cidades do Rio Grande do Sul.

Veja os números da tragédia no Rio Grande do Sul até aqui:

  • Cidades afetadas: 468
  • Pessoas em abrigos: 65.762
  • Pessoas desalojadas: 581.643
  • Pessoas afetadas: 2.342.460
  • Feridos: 806
  • Desaparecidos: 72
  • Óbitos confirmados: 163
  • Pessoas resgatadas: 82.666
  • Animais resgatados: 12.440

The post Pedidos de indenização somam R$1,67 bi no RS, o maior sinistro climático do Brasil appeared first on InfoMoney.

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *